Carlos Patati (1960-2018)

É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do pesquisador, roteirista e escritor Carlos Patati, falecido aos 58 anos em 15/06/2018 na cidade do Rio de Janeiro.

Amigo pessoal de nosso editor, com o qual compartilhou muitos cafés no bistrô da Livraria Da Vinci, no Centro do Rio, Carlos Patati tinha dois projetos editoriais em andamento com a Rizoma, que por diversos motivos prosaicos não puderam vir a público em tempo.

O primeiro desses projetos era uma revista em quadrinhos, a ser batizada como Anarquia, com ilustrações de Spain Rodriguez, traduzida e apresentada por Patati. Essa publicação teria como proposta narrar, de forma gráfica, alguns episódios da história do anarquismo e outros movimentos emancipatórios, como a Revolução Espanhola e a Comuna de Paris.

 

 

 

Nosso segundo projeto conjunto era uma coletânea de contos fantásticos de autoria de Patati, chamada A malícia de Vicente Flor e outras histórias fantásticas, com arte da capa de Júlio Shimamoto. Essa publicação marcaria a inauguração do novo selo “ComCiência Editorial”, associado à Rizoma Editorial. Desta coletânea constariam cinco contos: “Trailer Park”, “Arlequim”, “Servidor de Dois Amos”, “Dhampyr”, “O Fígado de Prometeu” e “A Malícia de Vicente Flor”.

Julgamos apropriado concluir esta triste nota com a minibiografia do Patati, redigida pelo próprio, que constaria de nossa edição da coletânea de seus contos:

Carlos Patati (pseudônimo de Carlos Eugênio Baptista) nasceu no Rio de Janeiro, em 1960; Estudou longamente no colégio de São Bento, onde ganhou o apelido que até hoje usa como nome literário. Como queria muito que o colégio fosse misto, com presença de alunado feminino, e realizava um jornalzinho estudantil sem papas na língua, o Aqui e Agora; foi convidado, de modo não muito gentil, a sair do colégio, tendo concluído o segundo grau noutros estabelecimentos. Cursou Comunicação Social na UFF e escreveu diversos roteiros para as HQ’s de terror da editora Vecchi e um conjunto de outras, sendo mais de uma vez, em nível nacional, premiado no ramo É mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ, com a Dissertação do Morcego, sobre Batman. Realizou algumas exposições e eventos relativos ao ramo. Foi curador das Bienais carioca e mineira de Histórias em Quadrinhos, e, como roteirista, teve trabalhos publicados na Europa e na Argentina. Escreveu roteiros de dois filmes de curta metragem, um dos quais premiado repetidas vezes, o Impresso à Bala, produzido pelo Curso de Comunicação Social da UFF. Trabalhou no Departamento de Treinamento da Embratel, onde realizou alguns programas de televisão para público interno. Também escreveu roteiros para programas da TVE e da TV Manchete, e fez parte da equipe que implantou o Curso de Comunicação Social da UESC (Universidade Estadual de Santa Cruz), em ilhéus, na Bahia. Aposentado, mantém ativa militância literária e jornalística, sendo autor, entre outros, do Almanaque dos Quadrinhos, publicado pela Ediouro no fim doa anos 90.

Rest In Power, Patati! Evoé! Eparrei! Excelsior!

Anúncios

Poesias de Maria

A Rizoma Editorial orgulhosamente traz ao seu público leitor o primeiro título em nossa nova linha de Prosa & Poesia: a recém-publicada obra Poesias de Maria, de Maria Gabriella da Silva Sousa.

Maria. Recém-chegada a um mundo hostil. Mas Maria, do alto dos seus doze anos, não se intimida nem se esconde. Maria fala – na linguagem da poesia, aquela que através dos séculos desafiou impérios e confrontou ditadores. Maria demonstra – com o vigor passional e arrebatador do seu trabalho, com a clareza cristalina dos que estão na vida para viver e não para fenecer – que pode ser capaz de mover mundos e transformar universos. Em um mundo onde a barbárie e o obscurantismo parecem avançar a cada dia, onde todas as árduas conquistas da humanidade na Ciência e nas Artes encontram-se sob o ataque avassalador e covarde das forças da ignorância e da pura ganância, movidas pelo ódio a tudo aquilo que desconhecem – eis que esta jovem poetisa surge, out of the blue, com poemas capazes de abalar e, por que não, transformar os mais corroídos e endurecidos corações! E assim mostrar que um outro mundo, mais livre e justo e limpo e pacífico, é de fato possível. Existe esperança, na poesia de Maria!

Disponível em brochura e ebook.

Pedagogia do Óbvio: Uma Análise Chomskyana para a Educação

A Rizoma Editorial anuncia ao seu público leitor o lançamento de seu mais novo título: Pedagogia do Óbvio: Uma Análise Chomskyana para a Educação, de Fabio Augusto Gomes, mestre em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) e pedagogo no município de Pinhão (PR).

Este livro, fruto da dissertação de mestrado do autor, tem por objetivo apresentar as análises anarquistas de Noam Chomsky sobre educação, com o intuito de refletir o contraditório na educação brasileira, sendo a categoria basilar o óbvio explicitado nas obras deste autor. Para tanto se torna necessário demonstrar de que forma o pensamento de Chomsky se alinha ao movimento anarquista, passando em revista alguns teóricos do anarquismo, demonstrando que seu constructo teórico leva em consideração o período histórico atual, capitalismo de estado e de que forma a educação acaba por se tornar um simulacro das ideologias dominantes, sendo o mote específico deste trabalho demonstrar a influência desta ideologia na educação brasileira, apresentar as críticas do autor e possíveis caminhos adotando o viés anarquista.

Disponível em brochura impressa e formato digital (ebook).

Prosa & Poesia na Rizoma Editorial

É com muita satisfação que a Rizoma Editorial anuncia a abertura de sua nova linha editorial de Prosa & Poesia.

Sem perdermos de vista nossa principal linha editorial, voltada para a publicação de obras de cunho acadêmico, com a abertura desta nova linha esperamos oferecer aos autores, iniciantes e veteranos,  mais um espaço para a divulgação de suas obras, ideias e sentimentos, pela linguagem da prosa e da poesia.

Naturalmente, daremos preferência a obras literárias e poéticas com enfoque em questões sociais, políticas e ambientais – a “poesia de combate” e a “literatura engajada” com a construção de uma sociedade mais livre e justa, pois afinal, como assinalou a escritora Ursula K. Le Guin (autora da célebre utopia anarquista Os Despossuídos): “os ditadores sempre temem os poetas”.

Abriremos a nova linha editorial através da poesia, com a publicação do primeiro livro de uma jovem poetisa paulista, que será anunciado em breve.

No campo da prosa, estamos planejando uma coletânea de contos de ficção política/científica, com enfoque em questões sociais, políticas e ambientais. O anúncio com as instruções para a participação, que será gratuita e aberta a todos @s interessad@s, também será divulgado em breve.

Que venham os originais!

Um Homem Vale Um Homem – Memória, História e Anarquismo na Obra de Edgar Rodrigues

A Rizoma Editorial orgulhosamente anuncia ao seu público leitor o lançamento da obra Um Homem Vale Um Homem – Memória, História e Anarquismo na Obra de Edgar Rodrigues, do Prof. Dr. Carlos Augusto Addor, professor professor associado do Departamento e do Programa de Pós-Graduação de História da Universidade Federal Fluminense.

Publicada em primeira edição pela Editora Achiamé (Rio de Janeiro, 2012), temos a honra de publicar a segunda edição desta obra.

O tema deste livro é a obra de Edgar Rodrigues, memorialista do anarquismo no Brasil e em Portugal. A partir da análise da obra deste autor, composta por mais de 50 livros e cerca de 1.800 artigos, publicados, tanto os livros como os artigos, em vários países, e produzida ao longo de um período que ultrapassa cinco décadas, o autor procura escrever, ou reescrever, uma história do anarquismo e de suas relações com o movimento operário e sindical no Brasil, num recorte cronológico bastante amplo, que se estende da Proclamação da República, em 1889 até o Golpe Civil-Militar de 1964. O autor busca sempre relacionar a obra de Edgar Rodrigues à sua vida e ao contexto histórico no qual viveu e produziu: num primeiro momento, Portugal, do seu nascimento em 1921 até a migração para o Brasil, em 1951. Desse ano, e até a sua morte em 2009 na cidade do Rio de Janeiro, o autor trabalha com a vida e, principalmente, com a vasta obra de Edgar Rodrigues, produzida, em sua quase totalidade, nesse segundo momento, no país que o acolheu, e onde se naturalizou brasileiro.

Esperamos que esta obra possa contribuir para estudos, pesquisas e debates, não só sobre a obra de Edgar Rodrigues, mas também sobre a história do anarquismo, em especial no Brasil, e seus valores fundamentais: socialismo e liberdade.

A Opressão das Mulheres no Passado e Presente – Para Acabar no Futuro! Uma Perspectiva Marxista

A Rizoma Editorial anuncia aos seus leitores o lançamento da obra A Opressão das Mulheres no Passado e Presente – Para Acabar no Futuro! Uma Perspectiva Marxista, do pesquisador francês Christophe Darmangeat (Universidade Paris 7 – Diderot), com tradução de Rodrigo Silva do Ó e prefácio do Prof. Dr. Nildo Viana (Universidade Federal de Goiás).

Nessa obra, Darmangeat aborda a questão da “opressão da mulher”, tanto no passado quanto no presente e a perspectiva do futuro, que seria marcada por sua abolição com a realização da transformação social radical e total no processo de constituição da sociedade comunista. Essa é uma temática importante e atual para a antropologia, o marxismo e o feminismo, concepções abordadas por Darmangeat. O debate realizado pelo autor remete à discussão antropológica, muito forte nos anos 1970, sobre a tese da “subordinação universal da mulher” e que se relaciona com a discussão marxista anterior sobre existência de um matriarcado, bem como as respostas marxistas para essa tese de algumas antropólogas. Darmangeat não se limita à análise da origem da opressão das mulheres, mas também discute sua situação atual e a perspectiva do futuro, mostrando que somente com o fim do capitalismo é possível uma autêntica e verdadeira libertação da mulher e de toda a humanidade.

“Somos Anarquistas, Italianos e Fracos”: (Re)conhecendo Sacco e Vanzetti e as suas Reflexões

A Rizoma Editorial anuncia a seu fiel público-leitor o lançamento de mais uma obra: “Somos Anarquistas, Italianos e Fracos”: (Re)conhecendo Sacco e Vanzetti e as suas Reflexões, de Eduardo da Silva Soares, mestre em história pela Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Esta obra visa apresentar a trajetória de Nicolau Sacco e Bartolomeu Vanzetti, os dois célebres anarquistas italianos condenados à morte sob a acusação de homicídio, cuja história de vida foi marcada pela (in)Justiça dos Estados Unidos da América nos anos 1920. Assim, o livro aborda de forma introdutória a viagem de ambos para os Estados Unidos, o seu ambiente de trabalho e o crime pelo qual foram condenados. As principais fontes são as cartas que eles enviaram a familiares, amigos e até órgãos de imprensa, entre os anos de 1921 e 1927. Estas cartas são ricas em detalhes, narrando a trajetória de dois prisioneiros que morreram jurando inocência. Os anos das cartas são de 1921 a 1927. Elas transmitem os depoimentos dos condenados em diversos momentos do cárcere. Além do mais, o seu caráter pessoal nunca foi estudado pela historiografia brasileira, conferindo a este trabalho um caráter totalmente inédito e assegurando sua contribuição para o conhecimento da história do movimento libertário na única escala que interessa aos anarquistas, que é a do mundo inteiro.

Viva Nicolau Sacco e Bartolomeu Vanzetti, presentes!

Disponível em brochura e ebook.